Países mais baratos para viver e trabalhar

[AMA] Após quatro anos nos arredores de Zurich, acabei de sair da Suíça.

2020.06.28 23:21 MAD-PT [AMA] Após quatro anos nos arredores de Zurich, acabei de sair da Suíça.

Boas pessoal,
Visto que já fiz vários comentários sobre a minha estadia na Suíça e tive várias pessoas a enviarem-me mensagens com várias perguntas, decidi criar um AMA (Ask Me Anything) / Pergunte-me Qualquer Coisa.
Muito do que vou escrever já escrevi noutros posts/mensagens e é com base na minha ou na experiência de pessoas conhecidas/amigas. Acredito que nem toda a gente tenha passado pelo mesmo que eu passei por isso convido a todos os que vivem / já viveram na Suíça a partilharem a vossa experiência e darem os vossos conselhos.
Espero que isto ajude a todos os que estejam a ponderar mudar-se para a Suíça e aos que chegaram há pouco tempo. Estejam à vontade para perguntar o que quiserem.
-----
Pequena intro:

Despesas:

Troques e dicas:

Como é viver na Suíça:

Coisas que me aconteceram (e a conhecidos meus):
TL;DR;
submitted by MAD-PT to PortugalLaFora [link] [comments]


2020.02.26 21:37 CommissionerTadpole Dicas em como conseguir trabalho no exterior? (Ou pelo menos como sair de uma família tóxica)

Bom dia, peço perdão em adiante pelo post extremamente longo. Esse thread é meio que uma mistura de uma pergunta com um desabafo.
Eu sou uma menina trans de 20 anos, convivendo em um ambiente não muito saudável à saúde mental; para resumir, meu pai apresenta condições bipolares e narcisistas, e morar com ele é comparável com dormir com uma bomba-relógio embaixo da cama, pois ele costuma explodir de raiva por motivos pequenos, e algumas vezes nem por minha culpa, simplesmente querendo descarregar o estresse do trabalho em cima de mim, e isso sem falar de vários casos de abuso psicológico que vêm acontecendo desde 2004. Também não ajuda que os meus pais são da moda antiga, onde a palavra deles é a Lei desde que eu esteja morando em baixo do teto deles, e falam que lívre arbítrio e independência não são um direito humano, mas sim um privilégio que eu não mereço ter.
A questão é que eles pegam isso e transformam em um catch-22; eu não tenho direito de conduzir minha própria vida pois eu ainda moro na casa deles, mas eu não posso sair da casa deles e ter meu próprio emprego pois eu não o direito de conduzir minha própria vida, já que eu ainda estou morando na casa deles... consegue ver o que isso implica? Eu já tenho qualificações para ter um trabalho que não seja de salário mínimo, pois eu fiz ensino médio em uma escola técnica federal (especificamente, um curso de informática, pois desde quando entrei já era meu sonho desenvolver meus próprios jogos), e logo sou formada como técnica de informática. Também sou fluente em inglês. Mas meu pai age como se eu não tivesse formação alguma, e sempre me ameaça a me pôr para trabalhar em um emprego de salário mínimo e péssimas condições (como pedreira, britadeira e outras do tipo) quando eu não cumpro as expectativas dele.
Basicamente, estou sendo forçada a fazer uma faculdade, queira eu ou não. Embora eu veja a faculdade como sendo algo importante, eu não consigo me ver indo bem em assuntos acadêmicos já que eu estou completamente gasta devido às pressões psicológicas que meu pai vêm pondo em mim (e o fato que minha mãe e o resto da minha família simplesmente ignoram o que acontece e dizem que eu só estou exagerando tudo), e também não ajuda o fato que fui praticamente roubada de uma oportunidade de ter ido a Portugal no fim do ano passado para meus pais conseguirem me por na faculdade, que só me fez sentir ainda mais presa e isolada. (Sem falar que meu pai simplesmente fica com muita raiva de mim quando eu menciono como fiquei triste sobre não poder ter ido para lá.)
Eu fiquei de saco cheio e cheguei ao meu auge essa semana, quando meu pai literalmente me ameaçou quando eu disse que não estava satisfeita com a faculdade e estava pensando em sair. Estive considerando pôr meu diploma de informática em uso e ver se eu conseguia algum emprego para me desgrudar da minha família (apesar de não ter gostado muito do curso, mas imagino que deve ter sido pelas mesmas condições que não estou gostando da minha faculdade: a depressão que sofro por causa da minha situação). Mas há vários problemas que me impedem de fazer isso diretamente.
Para início de conversa, eu francamente tenho que confessar que eu não faço idéia de como eu iria procurar e conseguir um emprego, ou até onde eu deveria começar à procurar, já que, em sua missão de me deixar perpetuamente dependente deles, meus pais nunca me ensinaram como fazer isso. Não é exagero; desde o ensino médio, quando tive que fazer estágio, meu pai me proibiu de fazer estágio em uma companhia - seja remunerado ou não - e me obrigou a fazer estágio dentro da minha própria escola, mesmo com os professores e conselheiros da escola avisando ele que não recomendavam fazer isso já que atrapalharia minhas oportunidades de conseguir um emprego no futuro devido a eu não ter um portifólio decente. (De fato, eu lembro que, no meu aniversário de 15 anos, quando comentei sobre a possibilidade de eu ter meu próprio trabalho e minha própria casa, meu pai riu da minha cara e disse que nunca iria deixar eu me mudar para fora da casa dele.)
Literalmente a única coisa que eu sei é que é possível agendar a carteira de trabalho online e que não custa dinheiro fazer isso (sendo que meus pais me disseram o oposto), mas também não sei direito como funciona o processo. Também ouvi falar sobre o LinkedIn, mas não conheço muito a respeito.
O outro problema é que, francamente, eu gostaria muito de conseguir uma oportunidade de emprego no exterior. (Preferencialmente em Portugal ou na Irlanda, já que gosto desses dois países.) Sei que isso torna as coisas muito mais difíceis e que eu deveria me concentrar mais em me safar da minha situação atual, mas há varios motivos por trás desse desejo meu... e dentre todos eles, dois deles se destacam:
• Salário. Não há segredo que a economia daqui está em um péssimo estado, e francamente, com eu só tendo um diploma de ensino médio e não tendo saúde mental para conseguir terminar a faculdade ou estudar para passar em um concurso público enquanto ainda estiver nessa situação, eu tenho medo se só conseguir um trabalho com salário mínimo que torne impossível eu ter dinheiro o suficiente para comprar ou alugar minha própria casa, ou que me acabe me forçando a viver perpetuamente na margem da pobreza. Claro, seria melhor que viver sofrendo de abuso doméstico, mas nessa situação, seria essencialmente trocando um mal pelo outro. Na Europa, não só o Euro está em uma situação muito melhor que o Real (que significa que até salário mínimo lá vai render mais do que o salário mínimo daqui), mas Portugal e Irlanda estão precisando muito de gente na área de informática, então seria muito mais fácil eu ter um emprego que pague bem lá comparado com aqui. (Sem falar que eu quero muito ter um Nintendo Switch e um 3DS/2DS, e ambos custam uma fortuna aqui no Brasil sendo que são muito mais baratos lá na Europa)
• Segurança. Tem o argumento óbvio de que lá tem muito menos crimes que aqui no Brasil, mas o que mais me atrai é a respeito de crimes de ódio. Como eu mencionei lá em cima, eu sou trans. Não fiz a transição ainda pois meus pais são conservadores e jamais iriam aceitar isso, mas caso eu me mudasse para fora da casa deles mas ainda continuasse morando no Brasil, eu ainda não iria poder fazer a transição pois não iria me sentir segura aqui, dentre todos os inúmeros crimes de ódio contra pessoas trans que vêm acontecendo aqui. (Sem falar que eu não arriscaria a possibilidade de acabar sendo demitida caso meu hipotético chefe seja uma pessoa preconceituosa.) Além de finalmente poder escapar dos abusos psicológicos e emocionais que meus pais vêm fazendo acima de mim, um dos maiores desejos que eu tenho à respeito de cair fora daqui é poder finalmente assumir o corpo e o nome que eu quero ter, algo que eu simplesmente não consigo me ver sendo capaz de conseguir se eu continuar aqui.
Além desses dois motivos principais, há vários outros motivos que me fazem querer me mudar para o exterior, como por exemplo, dificultar os meus pais de irem atrás de mim para ficar me importunando, e também o fato de lá ter um clima muito mais frio que o nosso (eu ODEIO o calor e sou uma masoquista em relação ao frio).
Mas enfim, o problema é que eu não sei se conseguir um trabalho nesses dois países seria fácil, ou até possível na minha situação atual. Eu não tenho passaporte, e nem um visto. (Eu ouvi falar que Portugal criou um visto específicamente para atrair brasileiros formados na área de informática, mas eu não sei como funciona o processo para obter esse visto, ou se inclui pessoas formadas no ensino médio-técnico ou apenas no nível superior.) Não sei se o processo para conseguir um emprego no exterior pode ser feito online mesmo não estando nesses países, ou se eu precisaria ir para lá primeiro. Não há muita informação à respeito disso.
Normalmente, o caminho lógico seria tentar conseguir um trabalho aqui primeiro para me livrar da minha família, e então juntar dinheiro para conseguir comprar um passaporte e pagar uma passagem de avião sem ter que depender de doações online. Mas, novamente, eu não sei se possuo uma qualificação boa o suficiente para conseguir um trabalho na área que pague o suficiente para eu conseguir sobreviver (seja aqui no Brasil, ou lá na Europa), e não muda o fato de que não sei como funciona o processo de aplicar para conseguir um emprego. (Novamente, tanto aqui quanto lá.)
Por acaso vocês poderiam me dar algumas dicas e esclarecimentos sobre o que eu devo fazer, tanto para conseguir um trabalho aqui quanto para conseguir me mudar para o exterior? (inclusive se dá para eu, por exemplo, conseguir emprego em uma empresa multinacional e depois pedir transferência para uma filial em outro país)
submitted by CommissionerTadpole to brasil [link] [comments]


2018.09.23 17:42 descartavel557799 O que me preocupa é a atitude do povo, não a especulação.

Isto é mais um rant/opinião e é um pouco um seguimento do senhorio.
Acho respeitável o senhorio não aumentar os preços à parva.
Acho também respeitável o mesmo não ter mudado da área dos arrendamentos para a área de comprar e revender no dia seguinte.
No entanto não venham pedir as pessoas para não investirem ou especularem.
Culpar aquele que vende, esquecendo-se daquele que compra, é no mínimo ingénuo.
Se alguém consegue comprar hoje, e amanhã vender por mais 30, 40 ou 100% é porque alguém está disposto a comprar.
Sim existe especulação. Mas da forma como falam parece que Portugal é o primeiro país a passar por isto. Falam numa bolha que vai rebentar a qualquer momento. Deixando todos de rastos.
Eu acho que existem aqui vários problemas.

**Spoiler**: nenhum desses problemas é a especulação.

**Existe o problema dos inquilino despejados**
Estes mesmos inclino vivem em casas que por vezes se encontram em situações mas. Nem o inquilino tem dinheiro para pagar arranjos, nem o senhorio tem dinheiro ou quer andar a pagar por arranjos dos quais nunca ira ver retorno.
Podem muito bem dizer que o senhorio é que deve pagar, mas sejamos justos, então o senhorio vai estar ali a pagar para o inquilino? Não lhe compete a ele fazer o papel do Estado ou da Santa casa da Misericórdia. Não é justo sequer exigir isso do senhorio.
Também não ias querer trabalhar por meia dúzia de tostões só porque a tua empresa não faz lucro suficiente para te pagar.
"Então o inquilino que pague os arranjos." Se o mesmo não consegue pagar uma renda mais elevada, vai pagar os arranjos como? Alem disso os arranjos nem são da sua responsabilidade.
Acho que podemos todos concordar que seja de que forma que olhemos para esta situação, nenhum dos lados tem a culpa.
**O Estado esta a falhar. O inquilino devia ter uma casa paga ou subsidiada pelo Estado ou o inquilino devia ter acesso a transportes que o permitam viver na periferia e continuar a fazer uma vida no centro da cidade isto sem perder milhares de horas e dinheiro em transportes.**

**Existe o problema das famílias que não conseguem arrendar ou comprar no centro da cidade**
Não conseguem e vamos la ver qual e o problema disso? Ja existia anteriormente quem não conseguisse viver nos bairros em Lisboa que se encontravam em condições e que não queria viver nos bairros que se encontravam baratos mas degradados (para não falar de mal frequentados). Por "esses" ninguém se queixava, mas agora como "esses" já são mais, ja se fazem ouvir. No entanto vamos parar para pensar para onde é que iam esses? Para a periferia da cidade.
Ah mas agora somos todos empurrados para a periferia da cidade e deixamos a cidade para os turistas e temos de fazer horas de transportes para chegarmos ao trabalho ou irmos a algum sitio na cidade.
Então mas "esses" já o faziam antes e nessa altura ninguém se preocupavam, é sempre na boa enquanto não nos toca.
**Mas mais uma vez o problema é a infraestrutura de transportes públicos que devia permitir a malta expandir-se para a periferia sem problemas.**
Alem disso a especulação existe como disse porque existe malta que esta disposta a pagar.
Se as pessoas começarem a ir viver para a periferia, a procura diminui, e ai a especulação torna-se menos rentável, se calhar ate demasiado arriscada.

**Existe o problema de só haver alojamentos locais e de não ser sustentável**
Mas quem sou eu e quem és tu para dizer se alguém pode ou não pode alugar a sua casa? So porque tu queres la viver e não consegues pagar o preço da renda, não quer dizer que agora tenhas direito a dizer aos outros o que devem ou não fazer com a casa deles.
Se não é sustentável, o risco é de quem compra para tentar rentabilizar neste mercado. Certamente se o mercado não for sustentável e rebentar irão ficar com um imóvel que terão de alugar por muito menos e nunca mais irão ver retorno, ou vender por menos do que compraram não vendo retorno também. O que é que nos temos haver com o que o que as pessoas compram ou não?
Quem compra para viver, não tem tanto com que se preocupar, afinal de contas vai comprar para viver, e se pagou é porque gostou e conseguia pagar. "ah mas agora ficou com o imóvel a valer menos." Mas então é investimento? ou é para viver? É que se não há interesse em revender cedo, o valor do imóvel pouco importa.
E não vamos esquecer que estes alojamentos locais, são renovados e por dentro e por fora, dando vida a bairros que noutra altura nem tu, nem muitos queriam la por os pés.
"Ah mas a cidade esta agora cheia de turistas!" E!? Esses turistas gastam dinheiro, esses turistas mantêm em pé negócios que nem tu, nem eu vamos sustentar. Um exemplo muito fácil, a livraria no Porto. Mas desses negócios que fecham porque não tem clientes suficientes, ninguém se queixa? não nos afecta, que se lixe não e?
Os turistas gastam mais dinheiro, nos mesmo sítios onde tu gastas, e gastam dinheiro onde tu não gastas.

**O turismo não é sustentável e de um dia para o outro morre**
O turismo até pode cair, mas não do modo como o fazem parecer. O turismo não vai cair de um dia para o outro só porque houve uma outra crise, criada por outro que tinha a mania quer percebia do que é que o mercado precisava e decidiu andar la a criar leis.
As empresas aéreas low cost assim como outros serviços low cost, terão de se adaptar e adaptar a sua oferta a esses tempos, e irão certamente sobreviver a crise como já o fizeram anteriormente, não nos vamos esquecer que a Ryanair existe desde 1984 e a Easyjet desde 1995, as outras podem ir ver as datas sozinhos.
O turismo esta para ficar, se assim o entendermos, se não criarmos leis para o limitar e se não andarmos aqui a achar que o pais é nosso e os outros que fiquem la fora.
Se acham que o centro das cidades estão a ficar demasiados cheios, então se calhar esta na altura de se criar a infraestrutura para expandirmos a cidade e para podermos chegar mais facilmente a outros destinos dentro do pais.

**Se não gostam aguentem-se e não chorem muito**
O turismo foi das melhores coisas que aconteceu a este pais. Muitos negócios renasceram, sobreviveram e cresceram devido ao mesmo.
Sim existe especulação mas só porque existe demasiada procura o que torna a especulação fácil e de baixo risco.
E quer queiram, quer não veio e vai ficar, olhem para os países vizinhos.
E não se esqueçam, se exigirem o controlo do turismo, podem estar a dar-vos casas baratas, mas a custa do negocio legitimo de outros.

**A especulação existe, quando existe procura em demasia, e por isso temos de ver o porquê de existir procura em demasia.**
Tentar limitar a especulação com leis em vez de solucionar o problema, ira levar a que tenha o efeito contrario e os investidores deixem de vir para Portugal e depois venham-se queixar que o pais não tem nada e não anda para frente.

**Não Exijam:**
- leis que limitam o mercado imobiliário
- leis que limitam o turismo
- que os investidores não venham para Portugal comprar
- senhorios que sejam bondosos e aceitem ficar com rendas que são o equivalente a nada.

**Exijam:**
- O melhoramento da rede de transportes dentro e fora da cidade, e de dentro para fora.
- Um estado que suporte dignamente aqueles que não tem capacidade para se suportarem para que estes não fiquem a mercê de um senhorio com empatia.
- Um estado que corta na burocracia
- Um estado que facilita a criação de negócios e atrai empresas e investidores
- Exijam que os vossos impostos sejam bem usados e pecam mais transparência quanto aos gastos do estado.

Acho que o pais esta melhor com isto tudo, mas acho que muita gente em Portugal prefere o lema:

**Todos juntos, todos iguais, mesmo que isso signifique que fiquemos todos mal.**

Estar a culpar os turistas, investidores e especuladores é a meu ver completamente errado, mas é o mais fácil.
submitted by descartavel557799 to portugal [link] [comments]


2016.01.20 02:17 criptonauta CARTA DE RICK FALKVINGE SOBRE O HARD FORK DO BITCOIN E RUMOS

CARTA DE RICK FALKVINGE NA SUBREDDIT /BTC SOBRE O HARD FORK DO BITCOIN E RUMOS Traduzido por Criptonauta – https://reddit.com/useCriptonauta
Alguns conselhos para o Classic e apoiadores
Então parece que o hard fork está acontecendo. Muitas pessoas têm lutado duro e por bastante tempo para aumentar o limite do blocksize, usando maneiras variadas, e parece estar finalmente acontecendo.
O Core não aproveitou a última oportunidade disponível para incluir um aumento do limite do blocksize no 0.12, mas anunciou um candidato a lançamento sem essa característica. Então é isso, é quando o fork acontece ou não acontece. Nesse momento, baseado no apoio anunciado, o fork parece estar seguindo adiante. Muitas pessoas que apoiam o Classic estão sentindo um grande alívio, mesmo se pessoas saibam que esse esforço não está feito até que o gatilho do blocksize tenha sido ativado na rede. Está longe disso nesse momento – nem mesmo há um código lançado. Mas tudo parece estar indo na direção certa.
É importante refletir sobre como isso é mais do que uma discussão sobre funcionalidades. Essa é uma eleição do que as pessoas decidem vem a decidir as funcionalidades direção, qualidade e visão seguem adiante. E como Satoshi declarou, há apenas uma coisa que determina o resultado da eleição: qual código está produzindo a corrente mais longa. É assim que a democracia do bitcoin funciona, bem assim.
Essa não é uma seleção de funcionalidades. É muito maior do que isso. É uma eleição de governança e administração para o futuro.
Como na maioria das eleições, sempre há muita animosidade – em ambas as direções. Assim, calcanhares bateram firme, valas se tornaram trincheiras e preferências se tornaram prestígio, as pessoas estão começando a chamar umas às outras e a acusar o outro lado por não trabalhar no que é melhor para o bitcoin, e ativamente citando nomes específicos em contextos negativos.
Quando aqueles no poder fazer isso a você, você está sentindo tudo no livro entre ressentimento, menosprezo e ultraje. É fácil fazer a mesma coisa de volta. Há até mesmo sugestões de que o Core está deliberadamente sabotando o bitcoin em benefício de... uma seleção de atores.
Isso cria uma cultura tóxica levando ao ponto da eleição, onde as pessoas estão com medo de tomar atitudes positivas ao bitcoin em antecipação de toda a atenção negativa que se segue – pois em tal ambiente, praticamente toda a atenção será negativa.
Isso não ajuda aquelas pessoas incumbentes de posições de poder tenderem a “fazer aquilo que elas devem, porque elas podem” de forma a preservarem o status quo, não importa o quão pequena ou insignificante aquela incumbência seja – isso inclui tudo desde o apagamento de discussões pelo Theymos, via tolos ataques DDoS a nodos XT, à venenosa requisição de pull ao Classic, sobre matar todo o investimento em hardware de mineração. Ações como essas não são totalmente desculpáveis, mas eles ainda são humanos: pessoas tendem a cometer o erro muito humano de deixarem os fins justificarem os meios, com os fins sendo aquilo que acreditam ser o melhor para a rede bitcoin.
É claro, outras pessoas discordam do que é melhor para a rede bitcoin, e a toxidade segue até que o conflito seja resolvido. E além. A toxidade irá permanecer até que ativamente removida pela liderança.
É a responsabilidade do vencedor em qualquer racha terminar a tóxica cultura de animosidade de hostilidades e adversarialismo pessoal. Eu não posso reforçar isso o suficiente.
A história é cheia de exemplos onde os vencedores se recusaram a viver junto com os perdedores e reconstruírem juntos o mundo uma vez que o conflito foi resolvido. Isso nunca termina bem. Por outro lado, onde o oposto é verdade – o fim da segregação da África do Sul por Mandela como presidente me vem à mente como um bom exemplo de liderança aqui – pessoas aprendem a deixar a animosidade para trás.
Existe um thread muito upvoted sobre manter a moral alta no /btc, o que me faz feliz. Contudo, um esforço como o que estou descrevendo vai além de não se comportar mal. O lado vencedor deve ativamente assumir a responsabilidade pela reconciliação.
Muitas pessoas que submeteram código para o Core (e anteriormente) são coders habilidosos, e no final, trabalhando por suas visões. Essa visão não tem que ser incompatível com a visão do Classic, de forma alguma – pode ser apenas uma questão de prioridades de funcionalidades levemente diferente, com pessoas pretendendo colocar tudo lá, de qualquer modo.
Isso assume, é claro, que o hard fork ocorra. Nós ainda não estamos lá. Não tenha o sucesso como garantido; muitos projetos falharam por terem o sucesso como garantido.
(Eu também gostaria de saudar Jonathan Toomim por não participar do racha, e ao invés disso se focar em solucionar o problema para a aceitação da maioria das pessoas. MVP reais aqui.)
Alguns conselhos para o Core e apoiadores
É fácil sentir ressentimento nesse estágio, ter feito tanto trabalho duro e escrito tanto código de alta qualidade e ainda receber uma tempestade de merda por isso. Quando eu estava liderando o Partido Pirata Sueco no Parlamento Europeu, fui gradualmente me acostumando em receber uma barragem de granadas de críticas por tudo que eu fazia e pelo que não fazia, todos os dias, começando com quando eu havia ou não me levantado da cama pela manhã.
É muito difícil explicar o que isso faz à sua psique para alguém que não tenha passado por isso. Imagine que todo mundo está lá fora para pegar você, todos os dias, e lhe dando um esporro alto, o culpando por tudo, desde a laranja ser redonda até a má interpretação por um Mongol sobre o que você disse três anos atrás.
Não estou exagerando quando eu digo que as pessoas provavelmente poderiam piscar os olhos e irem usar camisas de força por muito menos.
Mas o ponto crucial quando se está numa posição de liderança é que, receber críticas por absolutamente tudo, é manter sua habilidade para classificar as críticas mais relevantes das dos motoristas no banco de trás, que fazem a vida de reclamar mas não contribuir. Você também tem que confiar em sua bússola interna da visão que você quer alcançar.
Do que eu posso dizer, o Core cometeu o erro comum, mas crucial, de se isolar da comunidade e assumir a posição de expert quando todo mundo mais está confiando nessa bússola interna sobre críticas externas, onde o Core está de alguma forma certo por definição – o desenvolvimento ocorre da forma quiser, ponto. Isso é muito perigoso para qualquer projeto open source / software livre. Outras pessoas são tão inteligentes quanto e podem ter experiência e habilidade consideráveis para avaliar as alegações feitas, e elas deveriam, não, devem ser seriamente levadas em consideração.
Para ilustrar apenas um ponto, vamos dar uma olhada aqui na solução de escala do Core, Segregated Witness.
Quando aplico minha experiência não-trivial em programação e design de sistemas – eu comecei a programar 37 anos atrás – eu vejo essas duas opções para escalar o bitcoin em curto prazo:
OPÇÃO UM – Mudar o limite do blocksize, aumentando para dois megabytes. Uma linha de código para a constante, aproximadamente dez LOCs para ativação do trigger lógico. Requer o upgrade de uma maioria de softwares de servidores.
OPÇÃO DOIS – Introduzir Segwit. Aproximadamente 500 linhas de código novo, dos quais pelo menos 100 no código hipersensível de consenso. Requer o upgrade da maioria dos softwares de servidores e todos os clientes/softwares de wallet e hardware de cliente/carteira, especialmente aqueles que precisam pagar dinheiro por um endereço arbitrário (como o Segwit apresenta um novo tipo de endereço que tanto o remetente quanto o destinatário devem lidar).
Quando os proponentes da escalabilidade do Core me dizem que a Opção Dois aqui é melhor porque é mais segura e tentam me fazer compreender essa afirmação, ou eu sou completamente insano ou a declaração é equivalente a “preto é branco e em cima é em baixo”. Não é somente contra toda a experiência em gerenciamento de risco em engenharia de software, é algo que vai tão longe que não reflete mais a luz do sol.
Quando eu tento entender mais e desafio a asserção de que a Opção Dois é mais segura – sobre o que devo dizer que são fundamentos muito bons – me é dito que eu deveria deixar o design para os experts e que eu não entendo o suficiente da complexa máquina que é o bitcoin. Eu sei, eu sou capaz de aprender complexidades, mas eu sou firmemente dito para nem tentar.
Essa não é a forma como teve sucesso em manter a comunidade. Isso não é como você quer fazer com que as pessoas usem seu código.
É claro, as pessoas são livres para rodarem quaisquer códigos que gostem. Mas as verificadas e balanços em uma comunidade de código aberto é simples: se a liderança por um projeto constrói algo diferente do que as pessoas querem rodar, elas irão rodar alguma outra coisa. É, portanto, do interesse da liderança escutar que software a maioria da comunidade quer usar. Esses interesses que competem fornecem as verificações e balanços.
Agora, eu entendo as complexidades de uma transferência de bloco vezes através do firewall chinês e que testes preliminares indicam que um full node típico está saturado com um bloco de 32 megabytes. Todavia, nenhum desses limites será alcançado por esse escalamento em particular. Também, quando indo por uma senda como essa, você trabalha em um problema por vez, resolve um gargalo por vez. As pessoas vêm sinalizando pela necessidade de aumentar o blocksize por... eu não tenho as datas aqui em mãos, mas deve ser por boa parte do ano, se não mais. Mais adiante no caminho, escalar a capacidade dos nodes pode ser feito de uma série de formas, desde GPUzar ECDSA para hardware especializado, mas isso não é o gargalo iminente.
Quando tal enorme quantidade de dados cruciais (na necessidade de aumentar o limite do blocksize) é ignorado, isso é feito sob o perigo do projeto.
As pessoas na comunidade bitcoin são geeks inteligentes, capazes de inalar quantidades absurdas de informação e cruzar referências entre todas elas. Se você é incapaz de explicar por que sua solução é melhor do que outra proposta, as pessoas ficarão extremamente insatisfeitas com a resposta “porque somos experts” – pois você deve assumir que outras pessoas na comunidade, em caso geral, são pelo menos tão inteligentes ou mais do que você é. É até mesmo possível que se você não puder explicar sua solução para uma mente aberta e inteligente, ela não seja uma boa solução.
Finalmente, algumas reflexões pessoais Infelizmente, eu acredito que o desenvolvimento do bitcoin perdeu o tato com necessidades de larga-escala durante o ano passado. No momento, há três casos de uso que todas as novas funcionalidades deveriam buscar melhorar:
Transferência de Remessa (Remittance): O ato de enviar dinheiro entre indivíduos em países diferentes.
Substituição de cartões de crédito: das perspectivas de tanto o pagador quanto do comerciante (dois casos de uso diferentes). Isso significa que um pagamento deve ser instantâneo, fácil, e muito mais barato do que uma operação via cartão de crédito. Esses três casos de uso diferentes devem ser frontal esquerda, direita e centro quando fazendo qualquer design na rede blockchain, até onde sei. Eles também reforçam a cada um quando fundos recebidos por remittance não tem que ser convertido em fiat para ser usado na compra de algo.
Se não houver lucro a ser feito no uso do bitcoin como substituto de pagamentos via cartão de crédito, bitcoin não será usado em escala. Desdobramento e ultrapassar sistemas legacy dependem inteiramente de ganhos financeiros na comercialização. A história começa e termina com essa observação.
É por isso que estou preocupado quando olho as características do 0.12. Não vejo nenhuma funcionalidade tendo como alvo algum desses três casos de uso. Fato é, eu vejo pelo menos uma funcionalidade degradando severamente a capacidade de substituir os cartões de crédito – RBF – e a falta de escalabilidade colocando em risco severamente, para não dizer removendo definitivamente, a lucratividade em substituir os cartões de crédito.
O que eu vejo, ao invés disso, é a engenharia pela engenharia. A pergunta de “quem é o cliente?” parece ter se perdido no processo. Enquanto é discutível que não haja clientes em um projeto open-source, de qualquer forma há uma importância em compreender onde os pinos da bola de boliche estão para uma tecnologia disruptiva como essa – e certamente não é no tempo de inicialização de um novo node. Eu argumentaria que, ao invés disso, os pinos da bola de boliche são os três casos de uso que listei acima, e adoraria ver um foco mais forte em casos de uso tangíveis indo em frente mesmo se as pessoas discordarem com minhas escolhas de casos.
Para o alto e avante. O bitcoin irá se recuperar e continuar.
Vamos todos aprender com essa experiência.
submitted by criptonauta to oBitcoin [link] [comments]


5 MELHORES PAÍSES DO MUNDO PARA ESTRANGEIROS: trabalho, qualidade de vida, educação NAO PRECISA VISTO PARA MORAR E TRABALHAR NESTE PAÍS - YouTube #TOP10 - Países mais BARATOS do Mundo para MORAR 4 opções de países pra MORAR, TRABALHAR e ESTUDAR Conheça os 10 países com o menor custo de vida para se Viver Top 10 Melhores Países Para Viver e Morar - YouTube Os 10 Países Mais Baratos Para Morar na Europa - Os Melhores Países da Europa Para Viver

  1. 5 MELHORES PAÍSES DO MUNDO PARA ESTRANGEIROS: trabalho, qualidade de vida, educação
  2. NAO PRECISA VISTO PARA MORAR E TRABALHAR NESTE PAÍS - YouTube
  3. #TOP10 - Países mais BARATOS do Mundo para MORAR
  4. 4 opções de países pra MORAR, TRABALHAR e ESTUDAR
  5. Conheça os 10 países com o menor custo de vida para se Viver
  6. Top 10 Melhores Países Para Viver e Morar - YouTube
  7. Os 10 Países Mais Baratos Para Morar na Europa - Os Melhores Países da Europa Para Viver

10 paÍses mais baratos para morar na europa: ... 5 paÍses fÁceis para brasileiro morar e trabalhar no exterior - duration: ... as melhores cidades para viver em cada estado do brasil ... Os 7 MELHORES países para MORAR, TRABALHAR e ESTUDAR no ... Mundo Trip - Leane & Rodrigo 1,446 views. 20:20. 6 Países MAIS BARATOS pra fazer ... Top 10 Melhores Países Para Viver e Morar ... 10 PAÍSES MAIS BARATOS PARA MORAR NA EUROPA: ... #O melhor lugar para trabalhar e morar nos USA? ... ez-sim web tv 152,044 views. 19:12. 10 melhores capitais do Brasil para se viver - Ranking ... Se você está pensando em deixar o Brasil conheça antes nosso Top 10 melhores lugares para viver, Aqui no Top Mundo! Sigam-nos nas redes sociais! Facebook - h... NAO PRECISA VISTO PARA MORAR E TRABALHAR NESTE PAÍS Olá, Neste vídeo falo sobre um país que você não precisa de visto para trabalhar ou mesmo para morar def... Confira o ranking dos 10 países com o custo de vida mais baixos para se viver! Increva-se em nosso canal e dê o seu like para receber mais vídeos de curiosidades. Nesse vídeo você vai saber quais são os 10 países da Europa mais baratos para viver. Claro que você precisa considerar se eles possuem vagas de emprego na sua área.